Estou com sorte 😉

Separamos este artigo para você!

#AColaboradora: Encerramento será um dia para celebrar a Baixada Criativa

Chegou a hora de celebrar. Depois de um ano de formação, desenvolvimento de projetos e mentoria, os 25 empreendedores de impacto social da  Colaboradora – Empreender e Transformar fecham um ciclo que aponta para o futuro; Por isso, convidamos todos e todas para uma tarde para conversarmos, refletirmos e apontarmos nossos próprios caminhos para uma economia criativa inclusiva e potente para a região

 

No sábado (14/3), a partir das 15h, na sede do LAB Procomum ( rua Sete de Setembro, 52. Santos- SP) acontece o  Encerramento da  Colaboradora – Empreender e Transformar, escola de empreendedorismo criativo e impacto social do Instituto Procomum. Em 2019, 25 empreendedores foram selecionados para um ciclo de formação, vivências, redes, trocas e mentorias.

A atividade terá caráter de celebração com apresentações de música, arte, performance, poesia e slam. Parte dos participantes também vai expor os seus produtos em stands e pessoas ligadas a empreendedorismo e impacto social foram convidadas para participar do evento.

Segundo Simone Oliveira, coordenadora do projeto, esse é o momento de celebrar o percurso que foi percorrido pelo grupo. Para ela, foi um ano na qual foram realizadas uma série de oficinas para melhorar a gestão de projetos, a rede de relacionamentos, ampliação de repertório e a promoção de conexões. E isso possibilitou o desenvolvimento de cada participante.

 

“Cada participante foi impactado de uma maneira, seja desenvolvendo produtos, aumentando os relacionamentos ou conseguindo mais clientes. É o momento de valorizar esse percurso. Por isso, a atividade vai ser mais do que uma formatura. A ideia é mostrar o desenvolvimento dos projetos, contar a história das pessoas e debater a economia criativa feita por elas”, comentou Simone Oliveira.

 

Durante a atividade, cada participante da A Colaboradora vai expor em formato de pitching a trajetória de seu projeto. E os convidados Adriana Barbosa (da Feira Preta), Niva Silva ( Ânima Lab/São Judas), Barbara Trugillo (SP Cine) e Jamir Lopes (Santos Jazz Festival/Prefeitura de Santos) vão comentar os projetos a partir de suas experiências pessoas e institucionais, apontando para o futuro.

Simone Oliveira, coordenadora do Projeto, e Georgia Nicolau, diretora do IP, participam de atividade da Colaboradora – Empreender e Transformar

 

Também será realizada uma roda de experiência sobre economia criativa, inovação cidadã e impacto social com Andrelissa Ruiz (Galpão Inova ZL/ Fundação Tide Setubal (SP); Dj Bola, A Banca/Anip (SP); Flávia Saad, Juicy Santos (Santos); Mariana Soares Ribeiro, Soma Cidadania Criativa (DF); Rodrigo Montaldi, fotógrafo (Santos) ; Isabel Pato, Instituto Jatobás (SP) ; Bárbara Trugillo, SPcine (SP); Danilo Tavares, Zoppi Criativo (Santos) ; Adriana Barbosa, Feira Preta (SP); Marina Pereira, Lab Procomum (Santos); Renato Azevedo – Casa de Cultura Afro-Brasileira de Vicente de Carvalho; e mediação da jornalista  Fabiana Oliveira, Jornalista.

 

A fala de encerramento será de Catherine Rogers parceira britânica do projeto e diretora do Haarlem Artspace e de Selley Storino, Prefeitura de Santos.

 

Fazendo uma cidade criativa, todos os dias

Construir uma economia criativa é uma atividade diária em um ecossistema composto por diferentes realidades e histórias. E Simone Oliveira lembra que  essa nova economia não é medida apenas por números.

 

“Queremos mostrar que essas pessoas existem. Elas podem atuar na ponta da sociedade, mas movimentam a economia com criatividade e impacto social. Eles são importantes para o ecossistema e temos que discutir quais são seus pontos de vista, desafios e como seguem daqui para frente”, comentou.

 

A diretora do Instituto Procomum, Georgia Nicolau, tem larga experiência no setor. Ela foi Diretora de Gestão, Empreendedorismo e Inovação do Ministério da Cultura e secretária-substituta de Economia Criativa e de Politicas Culturais do Ministério da Cultura entre 2013 e 2016. Georgia Nicolau afirma como alguns dos critérios e recortas da A Colaboradora foram determinantes para o percurso do projeto e são temas essenciais e atuais para o debate da economia criativa.

Participantes da Colaboradora – Empreender e Transformar e Colaboradora – Artes e Comunidades. Os dois projetos abordam as possibilidades de colaboração dentro do empreendedorismo de impacto social e das artes

 

 

“Nosso ponto de partida foi o reconhecimento de que pessoas que fazem parte do que chamamos de populações historicamente sub-representadas têm menos oportunidades de acesso ao conhecimento e de adentrar e se estabelecer no mercado de trabalho. Ao mesmo tempo, essas populações desenvolvem diariamente inúmeras tecnologias de cooperação e inovação cidadã. Essas tecnologias precisam ser consideradas ao se estruturar um projeto a partir da lógica do comum, que é nossa base aqui no Instituto Procomum”, comentou Georgia Nicolau.

 

Ela também afirma que o Instituto Procomum e o LAB Procomum estão comprometidos em construir juntos com os cidadãos da Baixada Santista uma cidade que seja inovadora e transformadora.

 

“Em 2020, Santos, reconhecida com o selo de cidade criativa do Audiovisual pela UNESCO, será sede do Encontro Mundial de Cidades Criativas. E temos buscado justamente demonstrar que uma cidade criativa é feita por cidadãos criativos, mas para isso é preciso formação, acesso a repertório e redes para quebrar o ciclo de desigualdade”, enfatiza a diretora do IP.

 

 

 

 

 

 

Postar um comentário

parceiros
Neste momento esta rede social é restrita