Estou com sorte 😉

Separamos este artigo para você!

Lançamento de livro sobre Fanon acontecerá no LAB Procomum

A programação começa às 18h com exibição de curta metragem do LAB NEGRITUDES, lançamento de livro sobre Frantz Fannon e show de rap santista

O Memórias, Narrativas e Tecnologias Negras da Baixada Santista, vulgo LAB NEGRITUDES, celebra sua trajetória e retorna às suas atividades na próxima quinta-feira (28), a partir das 18h, na sede do LAB Procomum. O projeto iniciado em 2021 chega à sua segunda etapa reafirmando a importância da população negra da Baixada Santista para a formação da nação. Por meio de um processo de trabalho criativo que recusa o apagamento sistemático do protagonismo negro, suas vidas e realizações, o LAB Negritudes está de volta trabalhando o fortalecimento deste fio ancestral que nos conecta a um futuro comum possível onde o racismo jamais existirá.

Nesta segunda etapa, além de multiplicar o acesso aos resultados, narrativas de resistência e memórias acessadas, e seguir atualizando o mapeamento nas plataformas digitais, o projeto vai concentrar sua pesquisa em dois territórios específicos: o bairro do Macuco e do Jabaquara, em Santos.

A programação cultural desta quinta-feira (28) começa com a exibição do documentário “MEMÓRIAS APAGADAS DA TERRA DA LIBERDADE”, realizado em 2021 durante os trabalhos da primeira etapa do LAB. Em seguida, Deivison Faustino lança o livro “Frantz Fanon e as encruzilhadas: teoria, política e subjetividade”. A publicação apresenta a obra de Fanon com conceitos, influências teóricas e a interação entre pensamento e biografia. Também apresenta uma linha do tempo da circulação de sua obra no mundo e no Brasil. Uma reflexão sobre a obra do psiquiatra e revolucionário martinicano, pioneiro no trabalho sobre a experiência negra na América Latina e no Caribe afrodiaspóricos, mas sobretudo, sobre a dimensão do racismo que afeta o psicológico.

Para fechar o role LAB Negritudes, o rapper santista Augusto Pakko toma a cena com suas músicas autorais que expõem, denunciam e narram o cotidiano violento de um jovem negro periférico no Brasil. O artista foi responsável ainda pela série documental de fotos do projeto LAB Negritudes.

Mais informações sobre a primeira edição neste link: https://lab.procomum.org/negritudes/.

Programação completa e mais informações abaixo.

Programação:

18h – Exibição do documentário -“MEMÓRIAS APAGADAS DA TERRA DA LIBERDADE”

SINOPSE: Memórias apagadas da Terra da liberdade é um documentário em curta metragem que propõe um mergulho nas memórias de pessoas negras da baixada santista, memorias constituídas pelo samba, pelos quintais da resistência, por heróis e por pessoas reais. São memórias de uma negritude viva e pulsante que os livros de história insistem em apagar. O documentário em curta faz parte do projeto “Lab Negritudes” do Instituto Procomum, financiado pelo Instituto Ibirapitanga.

Mais informações: https://lab.procomum.org/2021/08/memorias-apagadas-da-terra-da-liberdade/)

19h – Lançamento do livro: Frantz Fanon e as encruzilhadas – Teoria, política e subjetividade

O livro será vendido na ocasião.

O autor – Deivison Faustino:

Graduado em Ciências Sociais pelo Centro Universitário Fundação Santo André (2005); Mestre em Ciências da Saúde/ Epidemiologia pela Faculdade de Medicina do ABC (2010) e Doutor em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFSCAR (2015), possui Pós-Doutorado em Psicologia Clínica no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica do Instituto de Psicologia da USP (2021.). Foi Consultor do Fundo das Nações Unidas para Populações UNFPA (2010/17/18); Professor de história da África na Faculdade São Bernardo (2010-2014); Visiting Scholar PDSE junto ao Department of Philosophy (University of Connecticut, UConn, 2014-2015) e recebeu, em 2016, a Menção Honrosa do Prêmio Capes de Tese na área de Sociologia. Atualmente é Professor do Departamento de Saúde Educação e Sociedade e do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social e Políticas Sociais da Universidade Federal de São Paulo – Campus Baixada Santista; integrante do Instituto Amma Psique e Negritude e membro do comitê editorial das Coleções Palavras Negras (Editora perspectiva) e Diálogos da Diáspora (UCITEC). Tem experiência com ensino, pesquisa e extensão nos temas Educação das Relações Étnico-Raciais, Pensamento Negro, Saúde da População Negra e Psicologia e Relações Raciais, Capitalismo e Racismo. É autor dos livros “Frantz Fanon: um revolucionário, particularmente negro” (2018) e “A disputa em torno de Frantz Fanon: a teoria e a política dos fanonsismos contemporâneos” (2020). Fonte: Currículo Lattes

Frantz Fanon – Além de intelectual, Fanon era um radical político, pan-africanista e humanista marxista preocupado com a psicopatologia da colonização e as consequências humanas, sociais e culturais da descolonização.

20h30 – Pocket Show – Augusto Pakko

Sobre o rapper – Augusto Pakko: Nascido e criado em Santos, São Paulo. Sua carreira teve início com interesse desenvolvido pelo freestyle e consequentemente Pakko passou a lançar músicas. Pakko passou cerca de um ano estudando diversas manifestações culturais até que no início de 2019 nasceu seu novo eu “Augusto Pakko”, com uma nova estética e expressões mais maduras. Empoderamento e autoestima são palavras chave do trabalho do Pakko que se intitula “Um Preto Notável”. Seu envolvimento com a moda é bem predominante nas estéticas de seus clipes e fotos. O rapper apresenta seu novo som: “157” é o single da primeira mixtape do artista Augusto Pakko. A música que vem acompanhada de um clipe afrocentrado que expõe, denúncia e narra o cotidiano violento de um jovem negro periférico no Brasil.

SERVIÇO:

Memórias, Narrativas e Tecnologias Negras da Baixada Santista

Programação cultural – Lab Negritudes

Data: Quinta-feira, 28 de abril de 2022. A partir das 18h.

Local: sede do LAB Procomum. Rua Sete de Setembro, 52

Link: https://lab.procomum.org/negritudes/

A organização do projeto Memórias, Narrativas e Tecnologias Negras também realizará lançamentos e atividades no dia. A programação conta com apresentação musical de Augusto Pakko, que produziu a série documental de fotos do projeto.

Postar um comentário

Neste momento esta rede social é restrita